Em Fátima, rezei por ti!



"Em Fátima, rezei por ti!"

Esta frase é muitas vezes dita por quem vai a Fátima, visitar o Santuário dedicado a Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

Ali onde Nossa Senhora apareceu a três pastorinhos, há mais de 100 anos, todos os dias, acorrem pessoas de todos os lados do mundo.


Chegar a Fátima é sentir paz.

E esta paz advém do perdão a nós mesmos e aos outros.

Por isso, uma das primeiras coisas que faço quando vou a Fátima é ir me confessar. Ali, estão sempre vários padres disponíveis, com vários idiomas, para que todos possam ali mergulhar na misericórdia de Deus.


É uma grande graça obter este perdão. Para mim, a confissão, para além de um importante Sacramento católico, é também um momento único e especial. Durante a confissão derramo o meu eu, para que a luz infinita de Deus invada a minha alma.


Sim, é possível que nos confessemos a Deus, na solidão do nosso quarto e também no início da missa no ato penitencial. Porém, estar ali diante de um padre, que acredito ser instrumento de Cristo para me ouvir, perdoar e também dizer-me o que preciso ouvir, é uma dádiva que me é oferecida gratuitamente.

Nas confissões entre mim e Deus, sem o padre, ouço o que quero ouvir. Mas ali, diante de um padre, ouço o que preciso ouvir.


Nem sempre ouvimos o que desejamos ouvir. Contudo, é ali, naquelas palavras sábias ditas pelo sacerdote, inspiradas pelo Espírito Santo, que o meu caminho se clarifica à minha frente.

Quantas vezes tenho sentido esta presença libertadora do Sacramento da Confissão na minha vida!


Após a confissão, a paz leva-me ao colo, e até mesmo a minha respiração fica mais calma e serena.

E então, participo da Santa Missa com um espírito em Deus, desapegado de mim mesma e das coisas do mundo.

Na capelinha das Aparições, geralmente, as celebrações das missas sucedem-se quase de hora a hora. E oportunamente, assisti uma missa celebrada por um sacerdote brasileiro que estava ali, com um grupo de romeiros vindos do país, onde também vivi por quase quinze anos.


Esta presença agradável da luz que nos trespassa com a sua paz, independente do país, da língua ou da raça.

Ali, estavam todos, vindos dos mais longínquos lugares do mundo, unidos em oração.

E quão grande oração é a Santa Missa!

Assim, estive em Fátima.


A luz invadiu-me a alma pois Maria é esta Senhora cheia da Graça de Deus, diante de quem o anjo Gabriel disse:
- Ave, Cheia de Graça. O Senhor é contigo!

E eu ali, também repetia estas mesmas palavras e só assim, neste exemplo de humildade da Mãe de Deus, é que poderia retornar a casa e dizer:

- Em Fátima, rezei por ti!




(Texto e fotografia: Rosária Grácio)

Santa Teresa do Menino Jesus - Frases em Pétalas com narração





Hoje é dia de Santa Teresa do Menino Jesus, doutora da Igreja,  que nos ensina que para sermos santos há um pequeno caminho que qualquer um de nós pode percorrer... Descubra um pouco deste caminho neste vídeo que fiz a partir de algumas  das suas frases ....


Lúcia - 1ª Parte (1907 a 1917)






"Assim, por graça de Deus, fui baptizada no sábado (de) Aleluia, dia 30 de Março de 1907, quando os sinos da igreja paroquial anunciavam a Ressurreição do Senhor. Nesse tempo, não havia registo civil, era só na igreja."


“Ver ali uma Senhora tão linda, que me diz ser do céu, senti uma alegria tão íntima que me encheu de confiança e amor; parecia-me que já nada me podia separar desta Senhora… Por certo, Ela veio por ordem de Deus, para cumprir mais uma missão, da qual Ele quis encarregá-la, trazer-nos uma Mensagem de fé, de esperança e de amor”(p. 30.31)."


“Foi então que a celeste Mensageira, abrindo os braços, com um gesto de maternal protecção, nos envolveu no reflexo da Luz do imenso Ser de Deus. Foi uma graça que nos marcou para sempre na esfera do sobrenatural."


“Parece-me que, naquele dia (13 de julho de 1917, terceira aparição), este reflexo teve por fim principal infundir em nós um conhecimento e amor especial para com o Coração Imaculado de Maria, assim como das outras outras duas vezes o teve a respeito de Deus e do mistério da Santíssima Trindade."


"Desde esse dia, sentimos no coração um amor mais ardente pelo Coração Imaculado de Maria”


“Todos sabemos que o coração é o símbolo do amor e da dor, receptáculo da misericórdia e do perdão”(p. 45).



"Nossa Senhora me disse que nunca me deixaria e que seu Imaculado Coração seria o meu refúgio e o caminho que me conduziria a Deus”.




Lúcia Rosa dos Santos nasceu em Aljustrel, a 28 de março de 1907. 

Os seus pais eram António dos Santos e Maria Rosa e foi a mais nova de sete irmãos.

Nas suas Memórias, Lúcia relata que em 1915 teve visões de uma espécie de nuvem, com forma humana, por três ocasiões diferentes,
enquanto estava com outras amigas. 

Com os primos Jacinta e Francisco, recebeu por três vezes a visita de um Anjo (1916) e por seis vezes a visita de Nossa Senhora (1917), que lhes pediu oração e penitência em reparação e pela conversão dos pecadores.


Pintura do retrato de Lúcia
1ª Parte (1907 a 1917)

Carvão/Grafite sobre papel
Obra original de Gráccio Caetano
www.gracciocaetano.com
gracciocaetano.blogspot.pt



Bibliografia:

As frases e os pormenores biográficos foram consultados em: